Acabamos de entrar em Outubro, conhecido por ser o mês da campanha de conscientização sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e, mais recentemente, do câncer de colo de útero: o Outubro Rosa.

Recentemente, o INCA (Instituto do Câncer) disponibilizou um relatório onde estima que 59.700 novos casos de câncer de mama em 2018 e também em 2019, isso representa 56,33 novos casos a cada 100 mil mulheres. A previsão para os casos de câncer de colo de útero, é de 16.370 em 2018 e a previsão se estende ao ano de 2019. Por isso o Outubro Rosa é um mês tão importante, ele promove a conscientização.

Mas, não são apenas esses tipos de câncer que tem como consequência, quase certa, a queda de cabelo, mas todos aqueles que são sujeitos à quimioterapia. Se você está passando pela doença ou tem alguém que ama que está lutando contra o câncer, a gente vai te explicar o que acontece com os cabelos durante e após a quimioterapia, além de dar algumas dicas para elevar a autoestima neste momento tão delicado. Acompanhe!

Por que o cabelo cai durante a quimioterapia?

O objetivo do tratamento quimioterápico é agir nas células cancerígenas, que se reproduzem muito mais rápido que a maioria das células do nosso corpo. Isso não quer dizer que não tenhamos células saudáveis que se reproduzam dessa maneira, o problema é que elas também acabam sentindo o efeito da medicação.

E é justamente isso que acontece com a raiz do cabelo: ela é atingida pela ação do medicamento que identifica as células que se multiplicam mais rápido, uma vez que nossos cabelos estão em constante crescimento. O mesmo acontece se o paciente precisar de sessões de radioterapia na cabeça.

Em quanto tempo ele começa a cair? E quando volta a crescer?

Quanto à queda, alguns fatores podem interferir nesta conta, como a sensibilidade do paciente e a intensidade do tratamento, mas pode-se esperar a queda gradual dos cabelos a partir da décima sessão de quimioterapia. Muitas vezes, há a queda apenas parcial, mas alguns pacientes mais sensíveis podem ter também a queda de pelos em outras regiões do corpo.

Atualmente, existem alguns medicamentos como vinorelbina, a cisplatina, a capecitabina e a fluorouracila (5FU), que podem causar pouca ou nenhuma queda. Também há uma técnica que consiste na aplicação de uma touca gelada nos cabelos (criopreservação capilar), mas dependendo da intensidade da quimioterapia, ela pode não surtir o efeito desejado.

E, como falamos, nosso cabelo está em constante crescimento, portanto, entre 15 e 30 dias após o final do tratamento já é possível ver o cabelo voltando a crescer. E isso nos leva a uma outra pergunta…

É verdade que o cabelo cresce diferente após a quimioterapia?

Sim, é verdade. É bastante comum vermos mulheres que tinham os cabelos superlisos terem fios ondulados e um pouco mais volumosos após o tratamento contra o câncer. Isso acontece por conta dos medicamentos utilizados na quimioterapia, que influenciam no ciclo metabólico dos fios. Ah! É possível também que eles voltem um pouco mais claros.

Durante a fase de retorno dos fios, utilize shampoos neutros e invista em hidratações para fortalecer o couro cabelo e ainda estimular o crescimento com a massagem na região.

Esse quadro, porém, é reversível! Dentro de um ano, aproximadamente, o cabelo vai retornando à cor e textura “originais”. Mas, é bom prestar atenção ao período de crescimento: caso o cabelo tenha caído todo, mas não esteja crescendo uniformemente, deixando alguns “buracos”, é bom procurar um dermatologista para averiguar o que está causando esse retardo em algumas regiões.

E, afinal, como lidar com a queda dos cabelos?

A gente bem sabe como os cabelos são importantes na autoestima de uma mulher, mas quando a saúde está em jogo, o importante é manter em mente que esta é uma situação temporária e logo, logo os fios estarão de volta!

Isso não quer dizer que se olhar no espelho e se sentir bonita não seja importante, muito pelo contrário! Manter a autoestima nesse momento é crucial, até mesmo para que não sejam desenvolvidas doenças psicológicas, como a depressão. Por isso, nesse outubro rosa, separamos algumas dicas para você aprender que a sua beleza está muito além dos seus cabelos!

Raspar a cabeça

Nem sempre os fios caem todos, além de aqueles que sobram ficarem muito mais finos e fragilizados. Muitas mulheres optam por raspar a cabeça para evitar as falhas muito aparentes e também evita aquele sentimento ruim de ver as madeixas indo embora aos poucos.

Apostar nos acessórios

Os lenços e chapéus são muito comuns entre as mulheres que enfrentam o câncer e nem sempre são utilizados apenas para esconder a perda dos cabelos, mas também para proteger a região da exposição solar.

Investir na maquiagem

Sabe aquela história de que o cabelo é a moldura do rosto? Pode até ser, mas na falta da moldura, por que não valorizar a obra? Aprender um pouquinho mais sobre maquiagem vai ensinar você a ressaltar o que tem de mais bonito no seu rosto, além de ser um ótimo passatempo!

Enfrentar o câncer é uma batalha que exige coragem e ter por perto quem você ama, com certeza, torna tudo mais fácil. Por isso, se você está ao lado de alguma mulher que está passando por isso, ajude-a a recuperar a autoestima e sentir que não é apenas nos cabelos que moram a sua beleza e feminilidade! E, claro, aproveite as campanhas do Outubro Rosa para continuar se informando e não esqueça de realizar o autoexame!

 

outubro rosa