Poucas coisas são mais desagradáveis que sair de casa e, de repente, perceber a roupa cheia de floquinhos brancos. Pior ainda se os seus cabelos forem escuros! Neles, a caspa aparece sem o menor pudor! Cerca de 40% dos brasileiros relatam ter ou já terem tido caspa — também chamada de dermatite seborreica em algum momento da vida e, mesmo sendo tão comum, esse tema ainda é cercado de mitos.

É uma doença? É contagiosa? Só aparece no inverno? Essas e algumas outras dúvidas é o que vamos responder neste artigo! Mas, antes de desvendar os mitos a respeito da caspa, vamos entender o que ela é e por que surge. Pronta? Então vamos lá!

Entenda o que é a caspa

Você já deve saber que toda a pele do corpo se renova com frequência. E com o couro cabeludo isso não é diferente! Em um couro cabeludo saudável, essa renovação acontece cerca de uma vez por mês e é imperceptível, pois os pontinhos de pele que se soltam são tão pequenininhos que mal podemos vê-los.

Agora, quando o couro cabeludo é “atacado”de alguma forma, essa troca acontece de forma mais rápida, ou seja, há uma maior eliminação de pele morta em menos tempo, o que faz com que se formem “placas”, maiores e bem visíveis: a caspa.

A origem da caspa é a disfunção das glândulas sebáceas e, portanto, não é uma doença, mas sim um estado do couro cabeludo. Um couro cabeludo frágil fica mais exposto à ação do fungo Malassezia, presente naturalmente na pele de todos nós, mas, que por uma série de fatores, pode causar irritação na pele de algumas pessoas, forçado-a a se renovar mais rápido.

O que provoca a caspa

Como vimos, a caspa é resultado de um desequilíbrio das glândulas sebáceas, que leva a um couro cabeludo fragilizado. Alguns fatores podem contribuir para a irritação das glândulas e o surgimento da caspa. Entre eles, podemos citar:

    • Má alimentação: uma dieta rica em açúcares e gorduras pode piorar o sebo dos cabelos;
    • Calor excessivo: vindo do sol, da água do banho ou de ferramentas de calor, estimula a produção de sebo;
    • Sensibilidade química: formulações pesadas podem irritar o couro cabeludo e forçar a descamação;
    • Disfunções hormonais: o desequilíbrio pode surgir por alguma disfunção interna (por exemplo síndrome do ovário policístico) ou pela ingestão desses hormônios (por exemplo anticoncepcional).
    • Estresse: o estresse debilita as defesas naturais do corpo causando um desequilíbrio no couro cabeludo.

5 mitos e verdades sobre a caspa

Chegou a hora de saber o que é verdade e o que é mentira quando o assunto são os temidos floquinhos brancos!

1. Cabelos escuros têm mais caspa

Mito. Não há nenhuma relação entre a cor dos cabelos e o surgimento da caspa. A melanina, responsável pela coloração dos cabelos, está presente no córtex do fio, junto da queratina e, como vimos, a caspa é resultado da oleosidade produzida na raiz.

O que acontece é que nos cabelos escuros as placas de pele são vistas mais facilmente, dando a impressão de maior ocorrência nesse tipo de cabelo.

2. Lavar o cabelo todo dia causa caspa

Mito. Lavar diariamente com água morna (e finalizar com um jato de água fria, que também evita o aparecimento do frizz) ajuda a manter o couro cabeludo limpo. Porém, além da temperatura da água, é preciso ficar atenta a outros detalhes na hora da lavagem: não aplique muita força para não estimular as glândulas sebáceas e utilize produtos específicos contra a caspa.

3. O consumo de álcool provoca caspa

Mito. E esse é bastante comum! E dá para entender o motivo: o álcool tem ação diurética, que faz os rins eliminarem nutrientes e eletrólitos (o que ajuda a explicar também aquela dorzinha de cabeça no dia seguinte), provocando o ressecamento da pele. Inclusive a do couro cabeludo. O que acontece, então, é a descamação do couro cabeludo por ressecamento, que não é a mesma coisa que a caspa.

4. O uso do shampoo anticaspa deve ser contínuo

Verdade. Usar o shampoo certo para o seu tipo de cabelo é fundamental! Então, se você sofre com a caspa, deve trocar todos os seus shampoos “normais” pelos anticaspa em todas as lavagens! A alternância de produtos faz com que a função anticaspa se perca e o problema retorne. Não precisa aumentar a frequência de lavagens, basta apenas usar o anticaspa continuamente.

5. Dormir com os cabelos molhados piora a caspa

Verdade. Dormir com os cabelos molhados só traz danos para os fios. E, claro, para o couro cabeludo. Manter a pele úmida e abafada durante toda a noite, estimula a produção de sebo, não deixa a pele “respirar” e facilita a proliferação de fungos (lembra do Malassezia que falamos logo acima?). A confusão está em acreditar que dormir com os cabelos molhados causa a caspa, sendo que, na verdade, apenas piora o problema.

Apesar de ainda não ter cura, a caspa não é contagiosa e pode ser controlada tomando as medidas certas para o problema. Escolha com cuidado os produtos que irá usar e mantenha o couro cabeludo sempre limpo, uma dieta balanceada e um estilo de vida saudável!

A oleosidade em excesso também traz alguns outros problemas, como um visual com cara de sujinho, mas é possível amenizá-la com algumas dicas simples. Veja neste post 5 erros que você pode estar cometendo que estão aumentando a oleosidade!

caspa